Pelo oitavo dia consecutivo batem-se recordes de mortalidade. Nem um pio do jornalixo ou politicos

Pelo oitavo dia consecutivo batem-se recordes de mortalidade. Nem um pio do jornalixo ou politicos

Desde o dia 5 de janeiro 2021 que a mortalidade está acima de 500 mortos diários, no dia 11 pela primeira vez que há registos ultrapassou os 600 mortos diários. No dia 11 houve em excesso de 100% de mortos! Duplicou a mortalidade normal.

Nos 11 primeiros dias de Janeiro um total de 5.741 pessoas contra 4.358 pessoas que morreram, em média, nos cinco anos anteriores homólogos. Um excesso de 1.383 pessoas.

Nunca se morreu tanto em tão pouco tempo no país. Não foi por causa do virus da moda, só atribuem 100 mortos por dia ao vírus e nem 50 podem ser considerados como excesso. Dos 150 a  300 mortos em excesso a cada dia, a esmagadora maioria são por medo de procurar cuidados de saúde, adiamento de tratamentos, por colapso total do serviço de saúde e da sociedade cobarde. E não, não “é do frio”, a gripe está formalmente desaparecida querem fazer acreditar, não tentem usar essa mentira como desculpa.

Não há uma única referência nos meios de comunicação a tal. Não há um único “especialista” convidado para um telejornal, para uma conferência do Infarmed para comentar esta ceifa.

Só lhes interessa os 156 mortos com teste positivo. Só lhes interessa os 500 000 testes positivos. Fazem uma festa sempre que passa um número qualquer. Criminosos.

 

Pelo oitavo dia consecutivo batem-se recordes de mortalidade. Nem um pio do jornalixo ou politicos

 

 

Anterior
Próximo